Sábado, 18 Maio 2024

#informaçãoSEMfiltro!

Rancho Folclórico Danças e Cantares de Santa Maria de Olival realizou a tradicional desfolhada

-

Inicialmente programada para se realizar na eira da sede do grupo, a desfolhada acabou por se realizar no seu interior, um espaço renovado e com todas as condições para a sua realização. 

publicado na edição em papel de 28/10/2022

A desfolhada decorreu assim no passado sábado, dia 22, e contou com a presença de cerca de 200 pessoas, entre elementos do grupo, convidados e amigos da coletividade.

À conversa com o nosso jornal, Rosa Costa congratulou-se pelo facto desta realização ter sido “uma aposta ganha. Estávamos cerca de 40 pessoas do rancho, temos uma ou outra pessoa que está doente, mas foi uma agradável surpresa. Pensámos que iríamos ter menos gente, mas a adesão foi tal, que além de termos que arranjar mais cadeiras e bancos para o público, ainda assim muitas tiveram que ficar em pé. Foi muito bom”. 

Rosa Costa explicou depois que o ponto mais alto da desfolhada, “é a desfolhada em si, mas a parte do convívio com a plateia, tem também bastante relevância”, uma vez que o Danças e Cantares é visitado nestes dias por muitos amantes do folclore. A noite não termina depois, sem a tradicional distribuição das castanhas, vinho e um caldo de nabos”. 

Aproveitando a conversa com a presidente, quisemos perceber como foi o recomeço pós-pandemia, com a presidente do Danças e Cantares de Olival a dizer que o grupo “não sofreu nenhuma alteração. Acho que sou uma felizarda por dirigir o grupo que tenho. Até por comparação com os outros grupos, todos se questionavam se iria haver grupo depois da pandemia. Mas eu nunca tive essa dúvida. Podia ter acontecer algum imprevisto, pessoas terem ido para o estrangeiro, ou outra situação qualquer, mas nunca tive receio de não recomeçar. O meu grupo tem muita saúde, não tivemos de recorrer a ninguém e estamos com a nossa atividade normalizada”.

Rosa Costa finalizou depois reafirmando que “está tudo a correr pelo melhor. Durante a pandemia fizemos uma obras de requalificação, pusemos a sede mais confortável, mais atrativa, e isso também ajuda, porque há uma energia renovada. Eu acho as coisas vão correr bem, sou muito optimista quando penso no futuro”.

partilhar este artigo