Sexta-feira, 8 Dezembro 2023

#informaçãoSEMfiltro!

Os factos vistos à lupa

-

Uma parceria com o Instituto +Liberdade (maisliberdade.pt)

No dia 7 de abril celebrou-se o Dia Mundial da Saúde. É a esse dia que dedicamos a análise de hoje. Em Portugal, os constrangimentos do SNS têm sido um dos motivos para cada vez mais portugueses subscreverem seguros de saúde privados, precavendo-se assim para a eventual necessidade de recorrer aos serviços de saúde privados. Falta de médicos de família, a existência de serviços de maior qualidade em determinadas áreas no sector privado e a procura por consultas e cirurgias mais rápidas, são alguns dos principais motivos apontados para esta evolução.

De acordo com dados da Associação Portuguesa de Seguradores, o número de pessoas com seguro de saúde privado (seja a título individual, seja através da entidade empregadora) em Portugal passou de 2,2 milhões em 2010 para 3,1 milhões em 2022, uma subida de 44%. O valor médio por pessoa dos prémios emitidos, a preços de 2022, também registou um significativo crescimento, passando de 297 euros em 2010 para 373 euros em 2022. Trata-se de um crescimento de 26%, o que, eventualmente, poderá indicar que os portugueses procuram, cada vez mais, coberturas mais abrangentes.

Se, aos 3,1 milhões de beneficiários de seguro de saúde privado, se juntar os cerca de 1,3 milhões de beneficiários do subsistema ADSE, reservado aos funcionários do Estado e suas famílias, o resultado é que cerca de 1 em cada 2,3 residentes em Portugal despende, além dos impostos, uma parte do seu rendimento disponível no sector da saúde privada ou social.

A dificuldade de resposta no SNS tem, por isso, levado os portugueses a duplicar os seus custos com a saúde. Por um lado, pagam a saúde pública através dos seus impostos, por outro, ainda pagam os seguros privados. Num país de baixos salários, esta duplicação de despesa a que as famílias se sujeitam é um claro sinal de que algo de muito estrutural não está bem no SNS.

André Pinção Lucas e Juliano Ventura

*publicado na edição em papel de 12 de abril de 2023

partilhar este artigo

Artigo anterior
Próximo artigo