17.5 C
Vila Nova de Gaia
Quinta-feira, Junho 17, 2021

Avenida da República

João Paulo Silva

Professor

O Morcego, o Salgado, Luís Filipe Vieira e a necessidade de cuidar do próximo

O conceito de Aldeia Global apresentado por McLuhan nos anos 60 do século passado antecipava algum do caminho que a tecnologia digital viria a trilhar, mas que se tornou, ironicamente, expressivo de forma catastrófica, através de um vírus.

Com a Pandemia que o Planeta está a viver ficou mais fácil perceber que os Países grandes dependem dos pequenos, que os mais ricos precisam dos mais pobres, que vacinar o ocidente está longe de resolver o problema no oriente. Há uma conexão permanente entre todos, entre todas as dimensões da nossa vida pessoal e social.

O vírus, que um imbecil americano teimava em chamar de Chinês, com ou sem morcego, espalhou-se de forma galopante, do Oriente à Feira de Milão e daí à indústria do calçado português. E, na China, tão depressa chegou, como partiu, tal o poder de uma ditadura digital que tudo limita e tudo controla. Em democracia, como se tem visto, tudo se torna, felizmente mais complicado, porque jamais será possível colocar em causa direitos essenciais, a pretexto de uma pandemia.

No entanto, vamos agora pela Índia e pelo crescimento das infeções numa parte importante da Ásia, que a situação está longe, muito longe de estar resolvido. Voltamos todos a perceber que vacinar nos países ricos da Europa não será suficiente e por isso, precisamos de ceder com urgência Vacinas aos mais pobres e, sobretudo, garantir que as patentes comerciais deixam de ser um problema para a existência de maior capacidade de vacinação.

E, embora pareça uma ligação forçada, dei por mim a pensar mesmo que “isto está tudo ligado” ao ver o Luís Filipe Vieira no Parlamento. Ou melhor, a presença de mais um devedor do BES é só mais um episódio no filme de terror em que Ricardo Salgado se tornou a personagem principal. Aliás, caro leitor, não acha estranho que em tudo o que de mau acontece neste país, há mão do BES? Até no Zmar!

Dizia eu, que no caso de Luís Filipe Vieira, segundo o próprio, colocado no Sport Lisboa e Benfica por indicação da banca, a conexão entre pontas soltas é absolutamente esmagadora – o homem vende uma dívida a um amigo. Supostamente esse amigo perde dinheiro. Muito dinheiro. Sim, também me lembrei do amigo do Sr. Sócrates. E o que faz o Sr. Vieira? Uma O.P.A. a ações do Benfica muito acima dos valores de mercado onde o tal amigo simpático ia ser tremendamente compensado. Ou seja, Vieira rouba o Benfica para tapar os furos dos seus negócios. Dito de outro modo, Vieira e o BES servem-se do Sport Lisboa e Benfica com a conivência dos poderes instituídos.

Ora, se no caso do Vírus, um “azar” no gigante Chinês condicionou a vida em todo o planeta, mal comparado, um “azar” no gigante BES condicionou a vida de todo o país. Com os milhões do BES, poderíamos, por exemplo, construir um hospital distrital em cada uma das nossas capitais de distrito, não? E quantos centros de saúde? E quantos médicos poderíamos contratar?

Ao criar estas sinapses algo estranhas, entre o morcego do mercado de Wuhan e a forma como Luís Filipe Vieira tentou subtrair dinheiro ao clube que diz defender, procuro de algum modo levar o leitor desta prosa para um território de irracionalidades onde qualquer teoria faz sentido e onde tudo e o seu contrário pode ser dito e escrito.

E, nesta espécie de pós-modernidade, onde o “Vamos ficar todos bem” pode ser substituído por “Ajudem-me, não aguento mais.”

Num tempo em que até o Sporting é campeão, sobram as singularidades – há todo um tecido social desfeito à espera do fim das moratórias ou do encerramento de empresa.

E falta-nos a rede.

O cuidar.

Com ou sem transferência de competências na área social, todos sabemos que Vila Nova de Gaia tem dado passos gigantes no sentido de fortalecer a rede de apoio à área social, procurando inclusive, através da autarquia, suportar as instituições desportivas e culturais para que elas se constituam como células dessa rede coletiva onde a palavra cuidar ganha uma importância acrescida.

Com o Covid percebemos que o Cuidar tem muitos significados.

Precisamos de cuidar com o nosso Sistema Nacional de Saúde, garantindo que ele é de todos e para todos.

Com as aulas a distância percebemos a importância dos Professores e da Escola Pública e de como ambos se tornam essenciais para cuidar das nossas crianças e jovens.

Com os confinamentos verificamos que o isolamento de parte da nossa população mais velha é um drama que urge resolver, uma situação, onde o verbo cuidar está ainda por escrever.

Sentimos ainda que as marginais cheias de gente não eram as melhores opções e que até havia locais no interior, nos montes e serras do nosso concelho, para cuidar e onde todos nos sentimos bem.

Tornar mais presente o verbo cuidar é uma urgência a que importa dar corpo.

A nossa dedicação ao verbo cuidar deverá ser total, até porque desse modo estaremos mais capazes de resistir às maldades de novas variantes dos vírus, sejam elas biológicas ou financeiras.

Este conteúdo é apenas para assinantes

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Siga-nos

12,172FansCurti
0SeguidoresSeguir
0InscritosSe inscrever

Últimas notícias

«Arqueobotânica com vista para o Douro: frutos e sementes do sítio do Rei Ramiro, em Vila Nova de Gaia» no encontro de arqueólogos em...

Arqueólogos reúnem-se, esta semana, em Palmela, numas jornadas aguardadas com expectativa por causa de novidades a apresentar, sobre escavações em Portugal e em Espanha,...

Rancho Folclórico da Afurada assinala 86 anos de existência

O Rancho Folclórico da Afurada assinalou esta manhã 86 anos de existência, numa cerimónia simples mas de elevado simbolismo, que contou com a presença,...

I Liga da época 2021/22 arranca no fim de semana de 07 e 08 de agosto

A I Liga de futebol da época 2021/22 arranca no fim de semana de 07/08 agosto e termina no de 14/15 de maio do...

Detenção por crime de falsificação de matrículas em Oliveira do Douro

Um homem de 36 anos, vendedor de automóveis, foi detido no domingo pela PSP, na Rua do Anel, em Oliveira do Douro, quando conduzia...

Homem detido por posse ilegal de armas

O Comando Metropolitano do Porto anunciou hoje que a PSP de Vila Nova de Gaia deteve no domingo um motorista, de 41 anos, suspeito...

Mais artigos de

Opinião

X