22.7 C
Los Angeles
Quarta-feira, Maio 18, 2022

PUTLER tornou a Guerra nossa

  Estamos em Guerra.  Não é uma coisa deles,...

3D: Ditadura do dualismo digital

As cores, aprendemos na escola, resultam de...

Uma águia que faz das tripas coração

Não há jogos que salvem temporadas, até...
InícionotíciasarquivoÉ urgente sensibilizar para os truques utilizados na desinformação

É urgente sensibilizar para os truques utilizados na desinformação

O professor da Universidade de Aveiro, Nuno de Sá Teixeira, defende a sensibilização para os truques da desinformação e explica como a teoria da inoculação é “mais eficaz na resistência” à informação enviesada.

Investigadores das ciências psicológicas têm estudado formas de proteger as pessoas de informações falsas, uma das ideias é a lógica da vacina, em que no confronto direto com pequenas doses de desinformação, o cidadão ganha resistência.

Os eventos políticos e sociais recentes e o surgimento das redes sociais mostraram fenómenos psicológicos que ganharam uma nova amplitude e alguns estudos clássicos foram retomados.

“Enquanto espécie social que interage no âmbito de uma comunidade, importa para o nosso funcionamento termos acesso a informações novas, que sejam precisas e relevantes. Obviamente que, quando se fala do volume de informação que dispomos hoje em dia, é impossível para uma única pessoa processar a sua opinião sobre tudo aquilo a que está exposta”, esclarece o investigador em psicologia experimental e professor auxiliar no Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro.

As pessoas recorrem a pistas que sugerem credibilidade à entidade que emite uma determinada impressão, no entanto, as pistas não são perfeitas e são facilmente usáveis para veicular uma mensagem declaradamente falsa mas que parece verdadeira.

No panorama político, as posições podem ser diferentes, e podem discordar, mas não colocar em causa aquilo que é produzido pela ciência.

Nos anos 50, os psicólogos sociais estavam interessados em fatores que pudessem disponibilizar às pessoas uma resistência à persuasão ou à lavagem cerebral e é neste contexto que surge a Teoria da Inoculação, uma metáfora às vacinas tradicionais mas aplicadas ao vírus da desinformação.

A informação propaga-se de forma semelhante a um vírus ou bactérias, assim, o objetivo seria expor às pessoas pequenas doses de desinformação, relativamente controladas, e acompanhadas de refutações, que permite despertar processos de raciocínio que, quando confrontados numa futura exposição a um conteúdo falso, vão resultar numa “imunização psicológica”.

“É quase como aprender um truque de magia, é assistir a algo bastante impressionante que não sabemos como se faz, contudo, quando nos contam como o truque é feito, percebemos que provavelmente há um espelho, ou uma coisa escondida num determinado sítio”, afirma.

De acordo com o especialista, as campanhas de ‘fact checking’ continuam a ter relevância, mas atuam apenas “a posteriori”.

O psicólogo sugere um reforço na verificação dos factos, não afirmar apenas que é falso mas acrescentar novas atualizações e, se possível, dar a conhecer a informação que é correta.

“Poderia resultar um casamento entre o ‘fact checking’ e a teoria da inoculação, no sentido em que esta pode apontar quais os truques que levam as pessoas a acreditarem na desinformação”, acrescenta.

O psicólogo ressalta que a melhor forma de controlar a desinformação é a partilha de conhecimentos entre várias áreas científicas.

“Os meios de comunicação tradicionais veem-se confrontados com jogos sociais em grupos de pessoas e é aqui que a psicologia poderia intervir, ao fornecer uma perspetiva compreensiva sobre os fenómenos e estabelecer uma leitura real da sociedade, da qual o jornalismo também depende”, sublinhou.

 Nuno Alexandre de Sá Teixeira formou-se em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, e doutorou-se em Psicologia Experimental pela mesma instituição. É atualmente Professor Auxiliar Convidado no Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro e tem trabalhos científicos sobre a forma como as variáveis físicas são utilizadas pelo cérebro para suportar funções percetivas e motoras na interação com o mundo.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

últimas notícias

outras notícias