22.7 C
Los Angeles
Quarta-feira, Maio 18, 2022

PUTLER tornou a Guerra nossa

  Estamos em Guerra.  Não é uma coisa deles,...

3D: Ditadura do dualismo digital

As cores, aprendemos na escola, resultam de...

Uma águia que faz das tripas coração

Não há jogos que salvem temporadas, até...
InícionotíciasarquivoZoo de Santo Inácio em Gaia ajuda animais a ultrapassar ausência de...

Zoo de Santo Inácio em Gaia ajuda animais a ultrapassar ausência de visitantes

Sem os habituais estímulos visuais e auditivos dos visitantes, os animais do Zoo de Santo Inácio, em Avintes, tiveram “mudanças de comportamento”, estando a equipa a reforçar algumas atividades para colmatar essa ausência.

A situação do zoo de Santo Inácio, em Vila Nova de Gaia, é “viável”, especialmente em comparação ao primeiro confinamento, mas a pergunta que Teresa Guedes, diretora do espaço, coloca é: “Até quando?”

A esperança é que as portas do zoo voltem a abrir-se “logo após a Páscoa”, em abril, até porque as habituais “gargalhadas dos visitantes já fazem falta”, tanto aos trabalhadores, como aos animais.

“Olá, olá, olá”, ouve-se ao passar na jaula das araras.

Noutros tempos, este seria o cumprimento de uma das mais de 40.000 crianças que por aqui passam anualmente com as escolas ou de outro visitante, mas desta vez é de uma das araras verdes.

Sincronizados com os “olá” da arara, do outro lado da passagem, os cinco macacos aranha vão-se aproximando do vidro e exibindo as suas mais habilidosas acrobacias.

Habituados à constante movimentação de pessoas, estes animais selvagens mas em cativeiro têm sentido a notória falta daqueles que os visitavam diariamente.

“Há uma mudança de atitude e comportamento que se nota nas fases de transição, quando temos visitantes e deixamos de ter, e quando passamos a ter novamente”, afirma Carla Monteiro, médica veterinária do zoo.

Sem estímulos visuais, auditivos ou olfativos, os animais “estão mais calmos, dormem mais e passam mais tempo sossegados”. 

Os primatas não têm arranjado “chatices” com os companheiros e os mamíferos carnívoros, como os tigres, leões e hienas, dormem entre “20 a 23 horas por dia”.

Se a presença de pessoas junto à jaula dos tigres da Sibéria pouco desperta a curiosidade do único macho e das duas fêmeas, na jaulas das hienas, ao mínimo movimento, a família de cinco aproxima-se para perceber de quem se trata.

Para compensar a falta de estímulos, a equipa do zoo tem trabalhado em “enriquecimentos” e interage com os animais tanto através do corredor técnico como do lado dos visitantes.

Aos “primatas curiosos” são oferecidas “caixas com bolinhas de papel dentro”, o suficiente para se entreterem durante algumas horas: “eles abrem as caixas, colocam-se dentro delas, pegam nas caixas e põem na cabeça é uma animação”, conta a veterinária.

Já nos habitats dos leões, tigres, hienas, pantera e mabecos, a equipa do zoo coloca caixas com restos de feno de outros animais ou ossos de bovinos para estimular os comportamentos por procura de presas. 

“Estes animais têm o hábito de encontrar e ver diariamente pessoas a passarem. Este período é estranho, espero que não se prolongue e que não exista um efeito secundário muito grande para que eles voltem à rotina normal, porque todos eles estão habituados a isso”, salienta Carla Monteiro.

Do mesmo modo que o confinamento mostrou a necessidade de se aumentarem algumas práticas, a pandemia reforçou a importância de se manterem certos cuidados com os animais, uma vez que “o risco de transmissão existe”.

“Nós temos interação com o animal, mas evitamos ao máximo o contacto direto. Tivemos um parto recente e estávamos todos equipados, com luvas, botas, máscaras. Desde março que temos esses procedimentos”, esclarece a veterinária.

“Manter o instinto selvagem dos animais sempre foi uma das missões do zoo”, que devido à pandemia e minimização de contactos acabou por se acentuar, afirma Teresa Guedes.

“Não vão ser estes os animais devolvidos à natureza, caso seja preciso, mas poderão ser os seus netos ou bisnetos, não sabemos, por isso, quanto mais natural o comportamento do animal for e quanto mais longe do humano melhor”, disse.

Neste espaço, onde habitam 600 animais de 200 espécies distribuídos por 15 hectares, juntar-se-ão em abril novos companheiros provenientes do zoo de Lagos e de zoos de França para “reproduzir e melhorar os grupos”.

“Os novos animais vão completar grupos para reproduzir e também melhorar, porque os alguns animais não gostam de estar sozinhos”, revela Teresa Guedes.

Enquanto a equipa do zoo aguarda, tanto por visitantes como por novos animais, estão a ser “melhorados e ampliados alguns serviços” como a entrada, loja e bilheteira.

“Vamos condensar tudo numa área mais ampla, para garantir também que as pessoas estão mais afastadas. Pretendemos ter isso pronto para a Páscoa”, esclarece.

O desejo de Teresa Guedes é que “este ano seja melhor do que 2020”, ano em que receberam 135.000 visitantes (menos 22% do que em 2019), e que “traga de volta as gargalhadas das crianças, dos adultos e volte a reunir toda a equipa” composta por 42 pessoas, 28% das quais em casa em lay-off.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

últimas notícias

outras notícias