22.7 C
Los Angeles
Quarta-feira, Maio 18, 2022

PUTLER tornou a Guerra nossa

  Estamos em Guerra.  Não é uma coisa deles,...

3D: Ditadura do dualismo digital

As cores, aprendemos na escola, resultam de...

Uma águia que faz das tripas coração

Não há jogos que salvem temporadas, até...
InícionotíciasarquivoSituação da medicina intensiva em Portugal “é ainda muito frágil” – João...

Situação da medicina intensiva em Portugal “é ainda muito frágil” – João Gouveia

A situação da medicina intensiva “é ainda muito frágil” no contexto da pandemia de covid-19, denunciou o médico João Gouveia, do grupo de coordenação da resposta em medicina intensiva, defendendo a conclusão de obras e mais recursos humanos.

Num retrato da atual situação de cuidados intensivos, que reportava a 20 de fevereiro 638 doentes covid, e a apresentação do cenário ideal de resposta a este nível num “novo normal”, que aponta para 285 camas de medicina intensiva dedicadas à covid-19 e 629 camas para a atividade não covid, num total de 914 camas, o especialista sublinhou que a capacidade atual “não pode ser mantida” e que só foi possível devido ao “esforço dos profissionais, à mobilização de espaços e à dotação de pessoal de outras atividades”.

“A situação da medicina intensiva em Portugal é ainda muito frágil, temos uma situação atual que não é real, é enganadora. É necessário completar obras em curso e assegurar recursos humanos”, reiterou João Gouveia, que, após vincar que a taxa de ocupação não deve exceder os 85% – ou seja, sensivelmente 242 doentes covid em cuidados intensivos -, assegurou que Portugal só vai conseguir chegar “no final da terceira semana de março” aos 245 doentes.

“Como podemos lá chegar? Temos de acreditar que certos pressupostos se vão cumprir: que tenhamos uma incidência corrigida de 240 a 480 casos por 100 mil habitantes, um índice de transmissibilidade (Rt) inferior a 0,7, uma taxa de positividade entre 7 e 8% e cerca de 1500 internamentos”, acrescentou o membro do grupo coordenador da resposta em medicina intensiva.

Contudo, João Gouveia alertou que se a evolução da pandemia não for favorável, então “todos os hospitais têm de ter planos de recuperação de nível” e que essa reorientação de meios tem de surgir antes de se gerar uma situação de alarme nos cuidados intensivos, devendo ser coordenada a nível nacional e regional e alvo de uma avaliação semanal.

“Não podemos esperar que seja a medicina intensiva a dar o sinal que as coisas estão mal. Esta informação é tardia, somos os últimos a sofrer as consequências, mas também os últimos a sair delas”, concluiu.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

últimas notícias

outras notícias