arquivoSituação da medicina intensiva em Portugal “é ainda muito...

Situação da medicina intensiva em Portugal “é ainda muito frágil” – João Gouveia

-

- Advertisment -spot_img

A situação da medicina intensiva “é ainda muito frágil” no contexto da pandemia de covid-19, denunciou o médico João Gouveia, do grupo de coordenação da resposta em medicina intensiva, defendendo a conclusão de obras e mais recursos humanos.

Num retrato da atual situação de cuidados intensivos, que reportava a 20 de fevereiro 638 doentes covid, e a apresentação do cenário ideal de resposta a este nível num “novo normal”, que aponta para 285 camas de medicina intensiva dedicadas à covid-19 e 629 camas para a atividade não covid, num total de 914 camas, o especialista sublinhou que a capacidade atual “não pode ser mantida” e que só foi possível devido ao “esforço dos profissionais, à mobilização de espaços e à dotação de pessoal de outras atividades”.

“A situação da medicina intensiva em Portugal é ainda muito frágil, temos uma situação atual que não é real, é enganadora. É necessário completar obras em curso e assegurar recursos humanos”, reiterou João Gouveia, que, após vincar que a taxa de ocupação não deve exceder os 85% – ou seja, sensivelmente 242 doentes covid em cuidados intensivos -, assegurou que Portugal só vai conseguir chegar “no final da terceira semana de março” aos 245 doentes.

“Como podemos lá chegar? Temos de acreditar que certos pressupostos se vão cumprir: que tenhamos uma incidência corrigida de 240 a 480 casos por 100 mil habitantes, um índice de transmissibilidade (Rt) inferior a 0,7, uma taxa de positividade entre 7 e 8% e cerca de 1500 internamentos”, acrescentou o membro do grupo coordenador da resposta em medicina intensiva.

Contudo, João Gouveia alertou que se a evolução da pandemia não for favorável, então “todos os hospitais têm de ter planos de recuperação de nível” e que essa reorientação de meios tem de surgir antes de se gerar uma situação de alarme nos cuidados intensivos, devendo ser coordenada a nível nacional e regional e alvo de uma avaliação semanal.

“Não podemos esperar que seja a medicina intensiva a dar o sinal que as coisas estão mal. Esta informação é tardia, somos os últimos a sofrer as consequências, mas também os últimos a sair delas”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Latest news

AMP quer ‘plano B’ para transportes caso diferendo com Gondomar não se resolva

O presidente do Conselho Metropolitano do Porto (CmP) assegurou hoje que vai levar até “às últimas consequências o esforço...

Assistente administrativa detida por burla

A PSP deteve em Vila Nova de Gaia, uma assistente administrativa por alegada falta de pagamento de serviços prestados,...

Suldouro retoma este mês entrega de contentores para reciclagem em Gaia

A Suldouro, operadora de resíduos nos concelhos de Vila Nova de Gaia e Santa Maria da Feira, garantiu hoje...

Mulher morre atropelada por autocarro na N222 em Vilar de Andorinho

Uma mulher de cerca de 80 anos morreu hoje depois de ter sido atropelada por um autocarro em Vilar...
- Advertisement -spot_imgspot_img

Lançado concurso público de conceção e construção da nova ponte sobre o rio Douro

O concurso público de conceção e construção da nova ponte rodoviária sobre o Douro, que vai ligar o Porto...

Pontos essenciais das variantes classificadas de preocupação presentes em Portugal

Das centenas de mutações do SARS-CoV-2 detetadas durante a pandemia, a atenção das autoridades de saúde recai em quatro...

Must read

- Advertisement -spot_imgspot_img

You might also likeRELATED
Recommended to you