22.7 C
Los Angeles
Quarta-feira, Maio 18, 2022

PUTLER tornou a Guerra nossa

  Estamos em Guerra.  Não é uma coisa deles,...

3D: Ditadura do dualismo digital

As cores, aprendemos na escola, resultam de...

Uma águia que faz das tripas coração

Não há jogos que salvem temporadas, até...
InícionotíciasarquivoResiliência na região Norte poderá beneficiar recuperação económica - dizem os especialistas

Resiliência na região Norte poderá beneficiar recuperação económica – dizem os especialistas

A região Norte poderá ser “uma boa surpresa” e tornar-se num “caso de estudo” de recuperação económica se, apesar da incerteza provocada pela covid-19, aproveitar as suas vulnerabilidades para mostrar capacidade de resiliência, adaptação e inovação, afirmaram especialistas.

Substancialmente “vulnerável” e “fragilizada” dada a dependência dos mercados internacionais, Alberto Castro, professor de economia da Católica Business School, acredita que a região Norte poderá vir a ser “uma boa surpresa” em termos de recuperação económica.

A capacidade de adaptação da região às fragilidades que a pandemia veio espelhar – com os vários setores, logo de início, a transformarem-se para produzir máscaras, luvas, ventiladores, álcool gel e aplicações móveis – permite criar uma “expectativa”.

“É tudo têxtil, calçado e mobiliário, mas quando se destapa a panela vê-se que lá dentro está uma economia a fervilhar e com maiores dinâmicas de especialização e entrada em cadeias de valor internacionais do que se poderia pressentir”, referiu.

O modo como a região se reposicionou poderá ajudar a antever o seu caminho de recuperação económica, acredita o docente, que espera que a região comece a “emergir” e criar “dinâmicas interessantes” de aproximação à inovação. 

“Costumo dizer que os empresários portugueses são muito devotos de São Tomé, é o ver para crer, e, entretanto, começam-se a criar dinâmicas interessantes”, afirmou.

A vulnerabilidade com que a região recuperou da última crise, em alguns distritos maioritariamente pela via do setor do turismo, levam a socióloga Lígia Ferro a acreditar que a recuperação se fará a “ritmos diferentes”.

“Sabemos que enfrentamos uma grande incerteza, assim como sabemos que a recuperação se vai fazer em diferentes velocidades, diversos territórios e distintos grupos da sociedade”, salientou.

Para a socióloga, alguns indicadores da última década, como o índice global de inovação da região Norte podem, no entanto, ser “animadores”. 

“Temos uma estrutura tecnológica e de inovação que poderá ajudar a amortecer um pouco este impacto”, afirmou, acrescentando que é preciso “olhar para o território como espaço de redes sociais e económicas que podem funcionar criando sinergias”.

Uma das “oportunidades” para a economia de expansão, acredita Lígia Ferro, é a “vulnerabilidade da zona Norte às alterações climáticas”, que se for vista como uma oportunidade, a região “pode tirar vantagem das próprias fragilidades”.

Ainda que estes indicadores possam “ajudar a amortecer” os impactos da pandemia, a socióloga defendeu que a tendência será de “acentuação das desigualdades”, em particular entre as zonas do interior e do litoral.

Para Vasco Leite, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, os territórios de baixa densidade territorial “não vão sofrer tanto” os impactos da crise como as economias mais urbanas, devido à especialização produtiva, um dos fatores que contribuiu para que as zonas do interior se tornassem “mais resilientes”.

“Nestes territórios, o emprego está tipicamente no setor primário e na administração pública, que são os setores mais protegidos pela crise da covid-19”, afirmou, acrescentando que a assimetria regional “vai continuar”.

“Aquilo que esperamos é que essa resiliência continue porque o confinamento é menor. Espera-se que a crise económica no primeiro trimestre de 2021 seja menor do que no primeiro confinamento porque há uma abertura maior, nem tudo fechou, e assim sendo, esta assimetria vai continuar”, salientou.

Também Pedro Chamusca, da Associação Portuguesa de Geógrafos, afirmou que o setor produtivo e o comércio da região terão de se “reconfigurar”, serem capazes de inovar e adaptar por forma a responder às necessidades futuras.

“O setor tem de conseguir ser socialmente útil, criar retorno e emprego. Só assim se poderá fugir de uma crise económica e social”, sublinhou.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

últimas notícias

outras notícias