arquivoMisericórdias e IPSS’S defendem que vacinação de dirigentes nos...

Misericórdias e IPSS’S defendem que vacinação de dirigentes nos lares cumpriu orientações

-

- Advertisment -spot_img

Misericórdias e IPSS defenderam hoje em audição parlamentar a vacinação contra a covid-19 de dirigentes ativos nos lares, considerando-o “um dever moral” de proteção aos utentes e um ato para o qual tinham orientações.

Perante críticas aos casos de vacinação indevida e abusos vindos a público nas últimas semanas nas prioridades na inoculação contra a covid-19, o padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade (CNIS) assumiu-se perante os deputados pelo responsável da vacinação de “dirigentes ativos”, um conceito que limitou a quem tem de facto funções de contacto direto com utentes, excluindo uma generalização a todos os órgãos sociais dos lares.

“Se há aqui algum criminoso, o criminoso sou eu. Eu é que introduzi a questão dos dirigentes ativos. Coloquei-a em três instâncias: na comissão permanente [de acompanhamento da pandemia], dizendo à senhora ministra [do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social] que deviam ser vacinados, ao ex-coordenador da ‘taskforce’ [Francisco Ramos] e também num encontro com o primeiro-ministro [António Costa]. Nenhum dos três disse ámen, mas também nenhum dos três me contrariou. Até que um dos três achou que era de facto necessário, que se justificava plenamente”, disse Lino Maia.

O presidente da CNIS, assim como o presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel Lemos, estiveram hoje a ser ouvidos via teleconferência pelos deputados da Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

Manuel Lemos, a este propósito, leu aos deputados um ‘email’ com orientações claras para as instituições identificarem, no âmbito do processo de vacinação, os dirigentes e profissionais a vacinar.

“É um longo ‘email’, mas penso que resolve muitas das questões”, disse o presidente da UMP sobre as críticas a vacinação indevida de dirigentes, acrescentando que é “certo que houve abusos inaceitáveis e que põem em causa o bom nome de toda a gente”.

Lino Maia, que se declarou “absolutamente contra os abusos”, também disse ser “contra a perda de vacinas”, uma vez que “elas são poucas e é importante que sejam todas aplicadas”, apelando para os deputados terem “uma palavra no sentido de serenar, de acalmar” a discussão em torno deste tema, no que foi secundado por Manuel Lemos.

“Estou a notar em dirigentes um certo desencanto, uma vontade de recuar, e sem estes dirigentes ficaríamos muito mal. É preciso uma palavra de respeito para que não haja uma debandada e fiquemos sem estes dirigentes”, disse o responsável da CNIS.

Sobre o andamento do processo de vacinação nos lares e na rede de cuidados continuados, os dois responsáveis foram unânimes numa avaliação positiva, afirmando que o processo está a correr bem e que a grande maioria já recebeu a segunda dose da vacina.

À exceção dos lares onde se registaram surtos, disse Lino Maia, a expectativa é que a vacinação esteja terminada antes de 06 de março.

Quanto aos lares com surtos ativos que impediram a vacinação, adiantou que há a garantia de que o Ministério da Saúde assumirá a vacinação nessas instituições sem que seja necessário qualquer requerimento para o efeito.

Lino Maia considerou ainda “muito importante” que os utentes dos lares ilegais tenham sido “considerados como pessoas” e “colocados ao lado dos outros” na vacinação, tendo ainda aproveitado para defender a necessidade de criação de um grupo de trabalho para a legalização destas instituições.

Defendeu também a vacinação do pessoal em trabalho de apoio domiciliário.

Manuel Lemos e Lino Maia estiveram também de acordo na avaliação de que as brigadas de intervenção rápida criadas para acudir a surtos em lares são insuficientes, não tendo todos os recursos humanos necessários, algo que o presidente da UMP justificou com a falta de pessoal disponível em algumas regiões do país onde não existem pessoas para as funções necessárias.

Lino Maia disse também que a expectativa é a de que vacinação reduza a incidência e frequência de surtos, tornando o reforço destas brigadas menos necessário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Latest news

AMP quer ‘plano B’ para transportes caso diferendo com Gondomar não se resolva

O presidente do Conselho Metropolitano do Porto (CmP) assegurou hoje que vai levar até “às últimas consequências o esforço...

Assistente administrativa detida por burla

A PSP deteve em Vila Nova de Gaia, uma assistente administrativa por alegada falta de pagamento de serviços prestados,...

Suldouro retoma este mês entrega de contentores para reciclagem em Gaia

A Suldouro, operadora de resíduos nos concelhos de Vila Nova de Gaia e Santa Maria da Feira, garantiu hoje...

Mulher morre atropelada por autocarro na N222 em Vilar de Andorinho

Uma mulher de cerca de 80 anos morreu hoje depois de ter sido atropelada por um autocarro em Vilar...
- Advertisement -spot_imgspot_img

Lançado concurso público de conceção e construção da nova ponte sobre o rio Douro

O concurso público de conceção e construção da nova ponte rodoviária sobre o Douro, que vai ligar o Porto...

Pontos essenciais das variantes classificadas de preocupação presentes em Portugal

Das centenas de mutações do SARS-CoV-2 detetadas durante a pandemia, a atenção das autoridades de saúde recai em quatro...

Must read

- Advertisement -spot_imgspot_img

You might also likeRELATED
Recommended to you