22.7 C
Los Angeles
Quarta-feira, Maio 18, 2022

PUTLER tornou a Guerra nossa

  Estamos em Guerra.  Não é uma coisa deles,...

3D: Ditadura do dualismo digital

As cores, aprendemos na escola, resultam de...

Uma águia que faz das tripas coração

Não há jogos que salvem temporadas, até...
InícioLançada petição para salvar 503 sobreiros em Vila Nova de Gaia

Lançada petição para salvar 503 sobreiros em Vila Nova de Gaia

Quatro associações lançaram hoje uma petição para salvar o Jardim de Sophia, no Porto, e 503 sobreiros em Vila Nova de Gaia e denunciar o incumprimento da Declaração de Impacte Ambiental para a expansão do Metro do Porto.

Em comunicado, a Campo Aberto, uma das quatro associações subscritoras do documento, refere que o objetivo principal da iniciativa é evitar a destruição do Jardim de Sophia, à Praça da Galiza, com o consequente arranque de 65 árvores naquela zona do Porto, bem como o abate de 503 sobreiros em Gaia, devido às obras programadas para a linha Rosa, que vai ligar São Bento à Casa da Música, no Porto, e da linha Amarela entre Santo Ovídio e Vila D’Este.

As associações salientam que apresentaram à administração da Metro do Porto, numa reunião em 01 de outubro, propostas alternativas “de melhor desempenho energético e ambiental”, mas a empresa “limitou-se a reafirmar a sua posição”, salientando a inevitabilidade das soluções que “desrespeitam a Declaração de Impacte Ambiental (DIA)”.

No caso da linha Rosa, a Metro do Porto estava obrigada a “compatibilizar a conceção da estação da Galiza com a preservação integral do Jardim de Sophia” e a empresa “decidiu desrespeitar essa injunção apresentando a sua solução como inevitável, e argumentando que não vai destruir o jardim, mas reconstruí-lo”.

Para os peticionários, “este sofisma esconde que o jardim será de facto destruído – quando a DIA é muito clara em obrigar à sua preservação integral – e que sobre os destroços se pretende construir algo inteiramente diferente”.

No caso da linha Amarela, dizem as associações, a DIA determina a preservação integral do habitat de sobreiros do Monte da Virgem e a “revisão do projeto” porque se trata ali de um habitat protegido “de inegável valor ecológico e acrescentado valor sociocultural, educacional e paisagístico”.

A declaração recomenda ainda que sejam identificadas “alternativas mais favoráveis para a localização do parque de materiais, que também afeta vários exemplares de sobreiro”, recomendações que “foram igualmente menorizadas pela Metro”.

Considerando que há alternativas ao abate de sobreiros e à destruição do Jardim, as signatárias defendem que tais projetos, nos moldes atuais, devem ser reprovados.

Para além da Campo Aberto, subscrevem a petição que às 18:20 tinha 12 assinaturas, a Associação Cultural e de Estudos Regionais – ACER, o Clube Unesco da Cidade do Porto e o NDMALO – Núcleo de Defesa do Meio Ambiente de Lordelo do Ouro – Grupo Ecológico.

Em setembro, estas associações tinham já denunciado as “mutilações” ambientais previstas com a extensão da rede de metro, contestando, à data, a destruição de três jardins no centro do Porto e o abate de mais de 500 sobreiros em Vila Nova de Gaia.

Na ocasião, questionada pela Lusa, a Metro do Porto esclareceu estar a projetar a plantação de 755 sobreiros nas Serras do Porto, como compensação ao abate de 500 exemplares desta espécie protegida, previsto no projeto de extensão da Linha Amarela, em Gaia.

A empresa esclareceu ainda que, no caso do prolongamento da Linha Amarela, o projeto inicial previa o abate de um maior número de sobreiros, tendo sido adotadas soluções de inserção que permitem alcançar “um impacto bem menor”, nomeadamente a redução da área total de implementação na zona do Monte da Virgem, em Vila Nova de Gaia, que “foi reduzida em 80 por cento – de 1,6 para 0,3 hectares”.

Sobre as intervenções previstas nos jardins da Rotunda da Boavista, do Carregal e o jardim de Sophia, na Praça da Galiza, a empresa não prestou, à data, qualquer esclarecimento.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

últimas notícias

outras notícias